Número de idosos com HIV AIDS cresce mais de 100% na última década

Quando surgiu, nos anos 80, a AIDS era uma doença típica dos jovens. Hoje, algumas décadas depois, as pesquisas mostram que a população idosa também é motivo de preocupação com essa doença, idosos com HIV AIDS são um reflexo da vida sexual mais ativa dessas pessoas.

O Programa Nacional de DST (Doença Sexualmente Transmitida) e AIDS recomenda o tratamento para idosos com HIV AIDS como feito de forma interdisciplinar, o que inclui visitas ao geriatra, psicólogos, enfermagem, farmácia, nutrição e outros.

A ideia é estimular o paciente ao tratamento em concordância com a rotina diária.

Os especialistas afirmam que por conta da memória (e da falha dela), os profissionais da saúde tem que verificar se as informações estão bem fixadas na aprendizagem dos idosos – para que eles não se esqueçam, por exemplo, de tomar os remédios.

Além disso, os exames devem ser mais frequentes – levando em conta que doenças típicas do envelhecimento, como infecções respiratórias e o comprometimento neurológico, são comuns em pacientes com HIV, o que causa confusão.

O alerta é para o preconceito, já que as pessoas com mais de 60 anos costumam se sentir culpadas ou envergonhadas com mais intensidade – já que são vistas como “assexuadas” por grande parte da população.

Nesse caso, a relação médico-paciente deve ajudar e ser positiva.

Porque para saber se está com a doença, todo paciente precisa ter o apoio de médicos especialistas, como os infectologistas e clínicos gerais. Assim, todo mundo que tem uma suspeita de estar contaminado tem que fazer o teste do HIV – que é anônimo e gratuito.

Idosos com HIV AIDS prevenção.

Idosos com HIV AIDS
Idosos com HIV AIDS, melhor prevenção ainda é a camisinha. Reprodução: Google

A melhor solução ainda é o uso de preservativo, como forma de prevenir o vírus. Uma pesquisa de 2015 mostrou que quase 40% das pessoas com mais de 50 anos usam os preservativos, e o número é baixo, consideram os especialistas, e só agrava e aumenta o numero de idosos com HIV AIDS todos os anos.

 

O acesso à informação é a indicação para que as pessoas mais velhas tenham mais capacidade de tomar melhor as suas decisões.

Um fato importante é que quando essas pessoas iniciaram suas vidas sexuais, a doença ainda não existia e tudo aconteceu em momentos transitórios, por isso, as campanhas atuais são tão importantes – mesmo porque todos os grupos estão vulneráveis, e idosos com HIV AIDS podem ser “esquecidos” pelo fato de todas as campanhas existentes forcarem na prevenção dos mais jovens.

Da Redação