Alho Negro: O melhor agente anticancerígeno natural

O Alho Negro é uma variedade do Alho Comum, a diferença é que ele é “in natura” e passar por um longo processo de fermentação, saindo, ao final, com algumas características diferentes: a aparência é negra por dentro, o sabor é mais forte do que o alho fresco e a textura é pastosa.

No Oriente Médio o desenvolvimento da iguaria aconteceu por acaso, conforme historiadores. Isso porque é provável que uma quantidade de alho tenha sido esquecida em locais apropriados para que chegasse nesse estágio, ou seja, sem estar podres, e sim, fermentados.

Aqui valem 2 curiosidades: a 1ª é que na Coreia e na Tailândia o consumo é comum, tanto é que ele é acrescentado à chocolates e doces. A 2ª refere-se aos EUA, que através do Instituto Nacional do Câncer, notificou que esses alimentos podem ajudar na prevenção da doença, ficando no topo da lista de classificação de agentes anticancerígeno natural.

Reprodução: Google

Dá para fazer o Alho Negro em casa, a partir do Alho Comum? Na teoria sim, porém, é muito raro quando o produto final chega ao resultado esperado. Isso seria possível com a utilização de uma estufa, dentro de um processo industrial. Sem contar ainda com o fator “tempo”, que é uma dificuldade para os produtores caseiros.

O Alho Negro, nos últimos tempos, tem se tornado um superalimento e super recomendado pelos nutricionistas, pelo fato de ser 100% natural e fonte de polifenóis, vitaminas, proteínas e conter 8 aminoácidos essenciais à saúde. Para se ter uma ideia, a cada 100 gramas do produto, existem 174 calorias, 8 gramas de proteínas e 32 gramas de açúcares.

Os benefícios dele são inúmeros, mas os principais são: Combate à doenças cardiovasculares, fadiga e cansaço. Também melhora a pressão sanguínea, a insônia, o fígado, além de combater gripes e ser um antiviral totalmente natural.

Reprodução: Google

Onde encontrar: essa é a parte difícil já que é considerado um produto nobre, e, por isso, só está em empórios e supermercados sofisticados. Na internet, é possível encontrar, no entanto, é preciso muita atenção à origem do alimento, que, na sua maior parte, é importando.

Com informações do MundoBoaForma